Futebol Saudade

Desde que, há mais de 100 anos, se fez o primeiro campeonato de futebol em Portugal, que a "passerelle", que é a vida desportiva, viu desfilar milhares de clubes.
Uns ainda hoje existem, pujantes e vigorosos até, outros, embora perdendo protagonismo, ainda resistem. Mas muitos ficaram pelo caminho.
Passaram ao futsal, deixaram o desporto, ou fecharam mesmo as portas. É dos que partiram (e não só), que aqui vamos tentar deixar a memória.




sexta-feira, 3 de março de 2017

Entroncamento - os carris do futebol.

O pequeno lugarejo partilhado por Torres Novas e Vila Nova da Barquinha, que via passar os comboios há mais de cinquenta anos, transformou-se por via destes, a meados dos anos vinte, do século passado.
Mais propriamente em 1926, quando se constituiu em freguesia e aportou a Vila Nova. O desenvolvimento ferroviário a que se assistia, e que levou a esta promoção, teve a ver com a criação de oficinas ferroviárias, que consigo trouxeram gente.
Novos bairros se construíram, e os tempos livres originaram diversos associativismos.
Neste, e daquilo a que nos propomos aqui falar, tem lugar destacado o futebol.

Informações abalizadas (O Entroncamento 24 Novembro 1947) citam, embora de forma ligeira, que os primeiros a jogá-lo por aqui, terão sido o Sporting Clube do Entroncamento. Onde o faziam não há notícia. Mas provavelmente em algum terreiro, já que por aqui sempre se faria feira, ou no conforto do campo militar, que já então tinham uma equipa de nomeada.

Eram os do P.A.M. (Parque Automóvel Militar). Militares de qualidade, que se fizeram notar nas redondezas, pelo seu vigor e capacidade. O seu aquartelamento dispunha de um campo de futebol como se disse, e que inclusive era usado pelos civis, como cita o jornal A Voz Republicana (28 Fevereiro), quando em 1930 dá conta de um jogo beneficente entre solteiros e casados. Seria então aqui o campo do Entroncamento. Primeiro, e único.

Mas os primeiros clubes a sério, e que tem o seu nome gravado na história do futebol distrital, são o União Foot-Ball do Entroncamento, criado em 1928, e logo seguido, em Maio, pelo 11 Unidos Foot-Ball Club.

Foram estes 2 clubes, os únicos então existentes na localidade, que promoveram o futebol. A rivalidade, nem sempre sadia, foi contudo a mola que os fez superarem-se. Ambos dispunham até de campo de jogo.

O campo do União era, no início, o único que existia. Campo da Pinheira era o nome oficial.
Ficava na rua Sossi, perto das instalações actuais do pavilhão da UFE.
A localização não deixa dúvidas, quando consultamos O Entroncamento, que em 6 Fevereiro 1949 diz, a propósito da equipa de juniores com que o UFE
concorre ao distrital, talvez numa tentativa de não deixar morrer a secção:

“… em prosseguimento do campeonato distrital de juniores, jogaram no velho campo da rua Sossi – que foi teatro de pugnas célebres, e onde passaram alguns dos melhores grupos nacionais…”

E para melhor se situar o campo, fica a nova da reestruturação que o clube sofreu em 1948, com a construção de um ringue de patinagem, em cuja inauguração esteve presente a selecção nacional.

O hóquei tornou-se a modalidade desportiva do União, e o seu ringue inaugurado (ver O Entroncamento 5 Setembro 1948) com pompa e circunstância, transformou-se no seu actual pavilhão.

Este campo da Pinheira, que foi palco consagrado, serviu muitas vezes ao futebol dos ferroviários. O Grupo Desportivo ainda não tinha sido fundado, mas o futebol já fazia parte da vida dos ferroviários, que através da Empresa participavam numa competição anual designada Taça CP. Barreiro, Lisboa e Porto, eram visitas frequentes daquele campo.
Já o Grupo Desportivo tinha sido fundado, e tal ocorreu em Maio de 1931, e era este o campo que lhes servia de sala de visitas.

Recuemos contudo ao tempo das rivalidades UFE/11 Unidos.

O jornal O Entroncamento (e aqui houve 2 jornais com tal nome – se calhar até 3) promoveu em 1931 um jogo beneficente que serviu de inauguração a um campo de jogos. Seria o campo das Oliveiras, e que era nem mais nem menos que o campo do 11 Unidos.
A notícia com data de 7 Junho de 1931 reza assim:

“A União joga, e ganha ao 11 Unidos por 4 a 2, a favor do Sanatório dos Sargentos, e na estreia do novo campo.”

Outro jornal do Entroncamento, o Notícias, confirmará em 29 de Janeiro de 1933, que o campo das Oliveiras era o campo dos Unidos.

O campo, não terá existido por muito tempo, mas foi relevante na história dos distritais.
Em Janeiro de 1935, chega até a ser o palco da final do campeonato distrital. Jogaram ali a União Operária de Santarém que viria a ser a campeã, com o União do Entroncamento, a quem venceu por 2-1.

Por alguns anos foram estes pioneiros campos que serviram ao futebol no Entroncamento, e quando em 22 de Dezembro o Ferroviários se sagrava campeão distrital (46/47) pela primeira vez, numa espécie de comemoração do primeiro ano de elevação do Entroncamento a concelho (vila já o era desde 1932), era já o “campo do Bairro Camões” que lhe servia de recinto.


Este campo foi aquele que mais tempo serviu ao futebol do Entroncamento. Era o campo dos Ferroviários, já que foi a CP que o construiu (1939) em terrenos que ali possuía.
Nos anos oitenta, já pertença da autarquia, era designado por campo de jogos municipal. Acabou abandonado, sendo hoje uma ruína.













Entretanto no Bonito, surge um complexo municipal relvado, que serve hoje o futebol de formação, que por aqui resiste.

Nota – a colectividade mais antiga é “O Parafuso”, nome porque é conhecido o Grupo Recreativo 1º de Outubro de 1911, data da sua fundação. Desporto só o judo, e já nos anos oitenta.


 












Jornais

A Voz Republicana…..…..…    1927/1931
O Entroncamento……...…...    1930/1931
Notícias do Entroncamento...  1933/1935
O Entroncamento……...…....   1946/1969

O Entroncamento…………....  1977/2005


Soltas - ver aqui